Nosso Blog

Publicado por

Maria Clara

Os verdadeiros vilões para crianças acima do peso

Há algum tempo, a restrição calórica para a criança acima do peso era bastante comum. Hoje, sabemos que isso não é recomendado. Crianças estão em fase de crescimento. Por isso, precisam justamente do valor energético da caloria para se desenvolverem. O sobrepeso só acontece quando a ingestão alimentar supera o gasto energético correspondente. Para combatê-lo, precisamos reduzir os excessos. Mas, afinal, o que são estes “excessos”?

Os excessos compreendem, principalmente, os alimentos ultraprocessados, como guloseimas, frituras e refrigerante. É importante lembrar que qualquer restrição de nutrientes essenciais traz grandes prejuízos para a saúde da criança. Por isso, pão, arroz, feijão, iogurte, leite, vegetais e frutas não devem ser vistos como vilões.

Já os produtos light e diet são reduzidos/restritos em algum ingrediente. Para manter o sabor, a indústria compensa essa redução com o aumento de sódio, açúcar, ou inúmeros outros aditivos – que são aqueles nomes estranhos, geralmente, encontrados no fim da lista de ingredientes. Criança não faz dieta cetogênica, low carb, hiperproteica, “do shake”… Ela apenas precisa comer bem, com muita variedade, para garantir a ingestão de vitaminas e minerais diversos.

Esqueça também os adoçantes. Eles mexem no paladar, na microbiota intestinal e são inseridos apenas para aplicações direcionadas. Nosso paladar tende muito para o doce e precisamos aproveitar muito bem o início da infância para a percepção dos sabores dos bebês. O paladar é extremamente adaptável e, de modo geral, crianças não devem usar edulcorantes sintéticos.

Se a criança precisa perder peso, a família e/ou cuidadores devem entender o que está acontecendo na rotina da casa. Abrir o armário, programar uma lista de compras, analisar o cardápio, cumprir horários, atentar-se aos restaurantes que frequentam, refletir e, sobretudo, se movimentar. As crianças adoram dançar, brincar, correr, pular… Quando elas precisam comer melhor, a família também precisa se comprometer e adotar hábitos mais saudáveis. A jornada coletiva é mais eficiente – e muito mais prazerosa.

Júlia Ferreira de Rosa Sousa
Nutricionista – CRN9 14378