Nosso Blog

Time do Vila da Serra: Renata Viana

Publicado por

Maria Clara

Time Vila da Serra: Renata Viana, coordenadora pedagógica

Mais uma profissional escalada para o Time do Vila. Formada em Pedagogia pela PUC-MINAS, Renata Viana possui Mestrado em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local, atuando na linha de pesquisa da formação continuada de professores. No currículo, ainda cabem muitas especializações, mas, aos 42 anos, é sobre outra formação que precisamos falar: Renata formou sua trajetória pedagógica aqui mesmo, na Bilboquê. Das categorias de base, hoje, ela assume a coordenação pedagógica do Vila da Serra.

  • Renata, como começou a sua história com a Bilboquê?

“Minha história na Bilboquê começou em 2002, na unidade Gutierrez, ainda localizada à rua Almirante Alexandrino. Tinha acabado de me formar em Pedagogia e sonhava em fazer parte do corpo docente da tão conceituada instituição. Na época, assim como atualmente, o processo seletivo contava com muitas candidatas para uma única vaga de professora do maternal. Receber a notícia que fui aprovada foi mais emocionante que passar no vestibular! Me recordo da emoção sentida como se fosse hoje. Após dois meses de trabalho, recebi o convite para fazer parte da equipe de professores do Buritis. Vivenciar essa experiência me fez ser a profissional que sou hoje. Acredito em ciclos de vida e a oportunidade de retornar para a Bilboquê no ano de 2021 é a comprovação de que o meu coração sempre esteve aqui.”

  • O que te trouxe de volta, após tantos anos?

“O desejo de retornar nasceu justamente pela experiência positiva vivenciada como professora e, principalmente, pelo nome que a instituição consolidou no mercado, ao longo dos quase 30 anos de trajetória. As sócias-fundadoras e a atual diretora da unidade Vila da Serra são mulheres que pensam fora da caixa. São mulheres à frente do tempo. E eu me identifico com a gestão compartilhada.”

  • Quais as diferenças entre esta profissional que chegou como professora, há 19 anos, para a coordenadora pedagógica, de agora?

“A Educação é transformadora! A experiência de 22 anos como professora da Educação Infantil me permitiu ser a coordenadora pedagógica que me tornei. Ter a vivência e a bagagem como professora me fazem exercer uma gestão diferenciada, capaz de compreender os desafios da sala de aula, mediar os processos de ensino aprendizagem com propriedade e aliar teoria à prática.

A grande diferença da professora que chegou na Bilboquê no ano de 2002 e a coordenadora pedagógica que retorna em 2021 é a formação e a experiência adquirida. O investimento no mestrado em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local e a pesquisa acadêmica na Formação Continuada de professores são divisores de água entre a minha carreira docente e a atual gestora.”

  • Da sua trajetória na Bilboquê, existe algum ensinamento que você leva para a vida?

“Existem vários! A Bilboquê foi a escola formadora na minha carreira de professora. Uma escola que sempre esteve em meu coração e na minha memória afetiva. Mas o maior de todos os ensinamentos é saber que podemos transformar professores por meio da formação continuada. O CEAB (Centro de Estudos e Aperfeiçoamentos Bilboquê) existe há mais de 25 anos, fazendo a diferença no cenário educacional de Belo Horizonte. Em 2002, eu falava para a Claret Lamounier, diretora pedagógica da Bilboquê, que um dia eu seria como ela é, profissionalmente. E vejam só! Trilhei meus caminhos com essa inspiração e acho que consegui atingir meus objetivos. A Bilboquê me transformou e eu procuro multiplicar essa ação transformando professores. Esse é o sentido! Conhecimento precisa ser partilhado.”

  • Como você se vê impactando famílias por meio da coordenação pedagógica do Vila da Serra?

“Bom, penso que o meu trabalho, sozinho, não conseguiria impactar as famílias, mas o trabalho de toda equipe multidisciplinar, que inclui setor de psicologia, coordenação pedagógica, comunicação, secretaria, portaria, administrativo, copa, equipe docente e estagiárias, sim. Envolver as famílias por meio de um trabalho pedagógico bem estruturado e no investimento das relações sócio-emocionais das crianças faz parte do nosso planejamento e atuação. É preciso uma gestão compartilhada e não uma gestão centralizadora para o sucesso dos processos escolares. Para impactar as famílias, só existe uma rota a ser traçada: o foco na criança. Todas as pessoas que trabalham em uma instituição escolar são educadores.”

  • Para finalizar, de que forma podemos unir a tradição da Bilboquê, amplamente reconhecida em quase 30 anos no mercado, com o caráter inovador proposto pelo Vila?

“A Bilboquê conquistou essa tradição no cenário educacional justamente por sempre ter sido uma escola inovadora. Em 1992, quando poucas escolas falavam sobre propostas construtivistas, psicogênese da língua escrita, espaços de aprendizagem e proposta pedagógica  com atividades  por meio de jogos e brincadeiras, a Bilboquê já era pioneira no assunto. Inovação sempre fez parte do histórico institucional. A Bilboquê Vila da Serra vem consolidar e expandir o nome da rede em outros municípios, mantendo a tradição pedagógica que sempre tivemos com uma estrutura física arrojada e inovadora. Com certeza, um marco histórico na área educacional.”

Renata Viana